IV Jornada sobre Holocausto em Curitiba reúne 200 professores

Dando início às Jornadas promovidas pela B’nai B’rith Brasil em 2014, aproximadamente 200 professores de História da rede municipal de ensino participaram em julho da quarta edição da Jornada Interdisciplinar sobre a História do Holocausto.

Houve palestras, depoimentos e debates que incentivaram a reflexão sobre o assunto e temas relacionados, como preconceito, discriminação e liberdade.

O evento, realizado no auditório dos Correios, integrou a programação de formação continuada da Secretaria Municipal da Educação e foi promovido pela B’nai B’rith Nacional e Paraná, Federação e Comunidade Israelita do Paraná (Kehilá), Universidade Federal do Paraná, com o apoio da Prefeitura de Curitiba.

O tema central da jornada deste ano foi “Discriminação e preconceito e a liberdade de falar”. Os participantes acompanharam o também depoimento de Moisés Jacobson, um sobrevivente dos campos de concentração da Alemanha do período nazista.

A secretária municipal da Educação, Roberlayne Borges Roballo, destacou a relevância do encontro como espaço para a reflexão sobre a história da humanidade, discriminação e intolerância nas sociedades. “Nos sensibilizarmos sobre esse triste capítulo da história, é importante para que possamos desenvolver com nossos estudantes as noções de cidadania, de princípios e valores como tolerância, diversidade, respeito e paz”, disse a secretária.

Concurso de Narrativas

Durante o evento foi lançado o Concurso de Narrativas sobre as Histórias do Holocausto, voltado aos estudantes e professores dos 9os. anos do ensino fundamental das escolas municipais de Curitiba. “É importante lembrar que não apenas os judeus, mas outros grupos étnicos e sociais foram e são até hoje vítimas de perseguições. Obras, museus e instituições são mantidos pelo mundo com o objetivo de promover reflexão e minimizar o mal dos que julgam de forma unilateral”, disse Roberlayne, enfatizando a necessidade de envolver estudantes no debate.

Segundo a presidente da B’nai B’rith do Paraná, Ester Proveller, as jornadas sobre o Holocausto visam contribuir para o combate ao racismo e todas as demais formas de intolerância, por meio da educação, do esclarecimento, do debate e da conscientização.

“Buscamos valorizar a liberdade e a democracia, por meio do conhecimento e da história”, afirmou Ester.

O coordenador do Museu do Holocausto de Curitiba, Carlos Reiss, apresentou a proposta pedagógica do Museu do Holocausto em Curitiba, que reúne fotos, imagens, documentos e objetos pessoais que contam a vida de pessoas vítimas do Holocausto. O museu conta com um departamento pedagógico cujo objetivo é ajudar estudantes e professores a interpretar os eventos daquele período. “O objetivo dos professores é fazer com que tudo faça sentido na cabeça do jovem e do adolescente neste momento, em 2014. É preciso que os estudantes compreendam o holocausto como um grupo de pessoas que se organizaram e decidiram que outro grupo era formado por pessoas inferiores”, disse Reiss.

Concluindo, em agosto, teve lugar a IX Jornada Holocausto & Direitos Humanos promovida pela B’nai B’rith Rio de Janeiro e, no dia 13 de setembro será a vez da Jornada organizada pela B’nai B’rith do Rio Grande do Sul.

É a B’nai B’rith Brasil contribuindo para, através da Educação, construir uma sociedade mais justa e solidária para todos.

 

IV-Jornada-do-Holocausto

A secretária municipal da Educação, Roberlayne Borges Roballo, fala na abertura do evento.
À esquerda, o presidente da B’nai B’rith nacional Abraham Goldstein e
presidente da Loja Chaim Weizmann da B’nai B’rith do Paraná, Ester Proveller (Centro)

IV-Jornada-do-Holocausto-2

Professor Antonio Godino Cabas, da Universidade Federal do Paraná falou
sobre “Da Solução Final, do gerente operacional e do homem contemporâneo

Veja também

B’nai B’rith repudia terror na Espanha

A B´nai B´rith, Entidade Judaica de Direitos Humanos, em atividade há 85 anos no Brasil, …

Deixe uma resposta