Comunidade judaica paulista lembra Yom Hashoá

Yom Hashoá é o dia do Holocausto e o Heroísmo, quando se honra a memória dos seis milhões de judeus assassinados pelos nazistas durante a Segunda Guerra. Neste dia, em Israel, as sirenes de alarme soam e guardam-se dois minutos de silêncio, sob o lema de “lembrar e recordar – jamais esquecer”.

Para marcar esta importante data, a Federação Israelita do Estado de São Paulo, A Hebraica e o Conselho Juvenil Sionista, com o apoio da Sherit Hapleitá do Brasil promoveram nesta segunda-feira, 24 de abril, no Teatro Anne Frank de A Hebraica, o “Ato Central de Yom Hashoá da Comunidade Judaica”.

Com a presença marcante da juventude, o evento, que foi aberto à toda a comunidade e lotou o Teatro Anne Frank, teve o acendimento de seis velas por dirigentes comunitários, representantes da Marcha da Vida Universitária, rabinos e educadores, representantes dos movimentos juvenis e sobreviventes do Holocausto. Para marcar os 102 anos do genocídio armênio, Armen Kevork Pamboukdijan, representante da comunidade armênia foi convidado a acender uma das velas.

A noite foi marcada pelos discursos de Avi Gelberg e Bruno Laskowsky, presidentes de A Hebraica e da Federação Israelita do Estado de São Paulo, do coordenador educacional da Marcha da Vida, Celso Zilbovicius, do cônsul Dori Goren, dos secretários Daniel Annenberg e Floriano Pesaro e de Miriam Nekrycz, viúva de Ben Abraham z’l e sobrevivente do Holocausto.

Todos destacaram a importância de que a chama do judaísmo seja mantida acesa em nome dos seis milhões que pereceram no Holocausto, bem como do papel dos jovens para perpetuarem a memória deste trágico episódio da história para que tragédias como essa jamais se repitam com nenhum outro povo. Também foi reforçada a importância do Estado de Israel como porto seguro para o povo judeu.

“Lembrar o Holocausto é uma penitência que a humanidade deve pagar por ter permitido tamanha atrocidade. Vivemos em uma época na qual o antissemitismo ressurge, e cerimônias como a de hoje, nos lembram até onde o ódio mais antigo e duradouro da humanidade pode levar. Temos Israel e temos a força da comunidade na diáspora, e hoje falamos alto contra as vozes de ódio daqueles que propõem a nossa destruição. Nossa luta é diária e incessante”, destacou Bruno Laskowsky.

Miriam Nekrycz foi efusivamente aplaudida e emocionou a todos ao retratar a trajetória e os incansáveis esforços de Ben Abraham z’l para perpetuar a memória do Holocausto através de seus livros e palestras por todo o país. “O povo que não lembra seu passado não terá um futuro. Espero que seu legado jamais seja esquecido e agradeço pelo empenho de nossos dirigentes comunitários”, frisou Miriam.

A cerimônia contou com a exibição de um vídeo realizado pelos jovens do Conselho Juvenil Sionista e de outro mostrando a carta escrita pelo tenente israelense Hadar Goldim z’l, sequestrado e morto pelo Hamas em 2014, onde retrata suas impressões após visitar os campos de concentração na Polônia.

O chazan da CIP Avi Bursztein entoou o Kadish e o El Male Rahamim e o evento foi encerrado com todos cantando juntos o Hatikvá.

A B’nai B’rith esteve representada pelos presidentes Abraham Goldstein (Brasil) e Zeila Sliozbergas (São Paulo).

Sobreviventes-do-Holocausto-acendem-velas
Sobreviventes acendem velas em memória às vítimas do Holocausto

 

Os secretários Floriano Pesaro e Daniel Annenberg discursam
Os secretários Floriano Pesaro e Daniel Annenberg discursam

 

Yom-Hashoa-Jovens-dos-movimentos-juveis-aceneeram-velas
Jovens dos movimentos juvenis acendem velas

 

Vista do teatro lotado
Vista do teatro lotado

Veja também

B’nai B’rith na 10ª caminhada que reuniu 50 mil em prol da liberdade religiosa no RJ

A comunidade judaica participou em peso no domingo, 17 de setembro, com milhares de pessoas …