Carta antissemita de Wagner é posta à venda em Jerusalém

Uma carta escrita por Richard Wagner alertando para a influência judaica na cultura será leiloada na próxima semana em Israel, onde apresentações públicas da obra do compositor alemão antissemita foram banidas.

Wagner, cuja grandiosa e nacionalista obra do século XIX é repleta de antissemitismo, misoginia e ideais de pureza racial, foi o compositor favorito de Adolf Hitler.

Apesar de nenhuma lei em Israel proibir suas músicas de serem tocas no país, orquestras e salas evitam fazê-lo devido aos protestos e confusões que marcaram apresentações no passado.

Os regentes Zubin Mehta e Daniel Barenboim foram censurados publicamente por vítimas do Holocausto porque colocaram obras de Wagner em seu repertório.

A venda na terça-feira da carta manuscrita, datada de 25 de abril de 1869 e dirigida ao filósofo francês Edouard Schure, poderia trazer à tona o debate sobre o polêmico compositor em Israel.

Wagner escreveu na carta que a assimilação dos judeus na sociedade francesa impede a observação da “corrosiva influência do espírito judaico na cultura moderna”, acrescentando que os franceses sabem “muito pouco” sobre os judeus. Meron Eren, cofundador e dono da casa de leilões Kedem, que venderá a carta, disse que era a primeira vez que lidava com um artigo de Wagner. “Wagner se reviraria no túmulo” se soubesse que um judeu barbudo em Jerusalém vai lucrar com sua carta, disse Eren.

veja.abril.com.br

Veja também

A verdade, a justiça e a paz

SHAVUOT-Véspera (Erev)- 19 de Maio – 05 de Sivan 5778 “Noite de Estudos” Primeiro dia …