Brasil expulsou mais de mil refugiados durante a ditadura

O Brasil expulsou mais de mil refugiados sul-americanos durante a ditadura que governou o país entre 1964 e 1985, dentro de um acordo sigiloso entre diferentes países do Cone Sul.

 

Segundo o jornal “O Estado de S. Paulo”, que obteve acesso em Genebra a arquivos das Nações Unidas, o acordo para a expulsão dos refugiados foi pactuado entre 78 militares brasileiros e argentinos, com o apoio de outros países vizinhos como Chile e Uruguai e do próprio Ministério de Relações Exteriores do Brasil.

 

O governo brasileiro devolveu opositores aos países de origem, situação que é considerada pela ONU como uma violação aos direitos humanos, e rejeitou pedidos de asilo que tinham o aval do organismo multilateral.

 

O Brasil recebeu, entre 1977 e 1982, 3,3 mil latino-americanos que buscavam asilo político, mas esse status de refugiado só foi dado a 1.380 pessoas, toda transferida a outros locais e essa situação foi denunciada em 1979 pelo então representante regional do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur), Rolf Jenny.

 

Em comunicados internos da época divulgados pelo “Estadão”, o Acnur manifestou várias vezes que o “Brasil não aplica na prática a lei de asilo nacional para a esquerda ou não europeus” e mantinha assim uma “posição extraoficial”.

 

A justificativa, segundo os textos, era que o Brasil “não era mais um país de imigração e que uma integração de refugiados era difícil”, mas a ONU refutava com o argumento que os imigrantes portugueses que fugiam de Angola depois da descolonização eram recebidos com todas as prerrogativas em território brasileiro.

Veja também

B’nai B’rith marca presença na 49ª Convenção Nacional da Conib

O presidente da B’nai B’rith do Brasil, Abraham Goldstein e esposa, a presidente de São …

Deixe uma resposta