B’nai B’rith participa de análise sobre desafios para diminuir a violência por motivação religiosa

Na sexta-feira 3 de agosto, lideranças religiosas e comunitárias estiveram reunidas para aprofundar as reflexões sobre as expectativas e realizações nos últimos 18 anos. O grupo participou de evento em 1998, em Itatiaia com um sonho comum de ver nascer uma cooperação inter-religiosa global. De lá surgiu a Carta de Princípios da URI – Iniciativa das Religiões Unidas, formatada no ano 2000.

Nestes 18 anos, a URI tornou-se um imenso movimento inter-religioso, presente em 107 países, com 950 Círculos de Cooperação.

Na tarde chuvosa, a Brahma Kumaris nos recepcionou e foi possível ver nos olhos dos participantes das diversas religiões o brilho do idealismo e a amizade consolidada ao longo do tempo ficou patente na alegria do reencontro, relata Lia Bergmann, que representou a B’nai B’rith na ocasião. Com realismo abordaram os desafios atuais em São Paulo e no Brasil. Participou do encontro uma equipe do Princípio 19, cuja função é a aprendizagem e organização a partir da análise de como a URI está cumprindo o seu propósito de promover a cooperação inter-religiosa duradoura e diária para combater a violência de motivação religiosa e criar cultura de paz, justiça e cura para a Terra e para todos os seres vivos.

Entre eles, Maria Eugenia Crespo de Mafia, Diretora de Suporte aos Círculos de Cooperação, com escritório em Buenos Aires, que relatou ter um ótimo relacionamento com a B’nai B’rith Argentina.

Veja também

Convenção da Conib ganha brilho filosófico com presença de Bernard-Henri Lévy

De 23 a 25 de novembro, a Confederação Israelita do Brasil (Conib) promoveu em São …