B’nai  B’rith Milão homenageia  judeu italiano que resgatou judeus do Holocausto

O presidente internacional da B’nai B’rith, Gary P. Saltzman e o CEO Daniel S. Mariaschin emitiram a seguinte declaração:

A B’nai B’rith Milão, o B’nai B’rith World Center- Jerusalem e o Comitê para Reconhecer o Heroísmo dos Judeus que Resgataram Judeus  durante o Holocausto conferirão uma Citação  como Judeu  Resgatador a Enzo Cavaglion (98 anos), por ter salvo a vida de refugiados judeus no norte da Itália durante a ocupação alemã.

Enzo Cavaglion foi um dos 14 membros fundadores do grupo partisan “Italia Libera” (Free Italy), estabelecido em 12 de setembro de 1943 – no mesmo dia em que Cuneo, Itália, foi ocupada pela Divisão da SS Panzer alemã – por Duccio Galimberti, um advogado anti-fascista franco de Cuneo. Eles se instalaram no santuário da Madonna del Colletto, a 18 quilômetros a oeste de Cuneo, a meio caminho da encosta íngreme que separa o vale do Gesso do vale da Stura ao norte. Enzo e seu irmão mais novo, Riccardo Cavaglion, ficaram com o grupo até outubro de 1943, quando tiveram que sair para ajudar suas próprias famílias a fugir da prisão em Cuneo.

Além do combate que travaram contra os alemães e os fascistas italianos, Enzo e Riccardo também ajudaram os judeus que se refugiaram em aldeias ao redor de Cuneo. Mais de 1.000 judeus que viviam na remota aldeia alpina Francesa, ocupada pelos italianos, de Saint-Martin-Vesubie, fugiram do exército alemão que invadiu a área após o anúncio, em 8 de setembro, do armistício assinado entre a Itália e os Aliados.

Homens, mulheres, crianças, idosos e deficientes escalaram os Alpes Marítimos sobre a fronteira internacional para a Itália em uma provação angustiante, apenas para encontrar os alemães que já vagavam pela área. Cerca de 300 pessoas foram capturadas e enviadas para Auschwitz. Os restantes 700 encontraram refúgio entre a acolhedora população camponesa local. Enzo e Riccardo encontraram esconderijos para eles, forneceram os documentos necessários e os esconderam nas montanhas para evadir os nazistas. O sobrevivente Harry Burger creditou a Enzo e Riccardo a salvação de sua vida e a vida de sua mãe, advertindo-os de que os nazistas estavam procurando por eles. Outro sobrevivente, Alfred Feldman, escreveu em suas memórias, “One Step Ahead: A Jewish Fugitive in Hitler’s Europe”, que ele testemunhou um ousado roubo de cartões de identidade de Enzo e Riccardo do gabinete do prefeito em Vignolo, na Itália, que foram então falsificados e distribuído a alguns dos refugiados. Enzo realizou todas essas atividades apesar do perigo adicional que enfrentou como resultado.

————————————————————————————————————————–

A homenagem incluiu  uma apresentação do prêmio na casa de Enzo Cavaglion,  e cerimônia na sinagoga de Cuneo, em 21 de janeiro de 2018.

Na sinagoga houve discursos de funcionários governamentais, do diretor do Centro Mundial da B’nai B’rith em Jerusalém, Alan Schneider e do filho de Enzo, o professor de história Alberto Cavaglion, que recebeu formalmente o prêmio.

O presidente da B’nai B’rith Milão, Paolo Eliezer Foà, foi o anfitrião da cerimônia.

Desde a sua criação em 2011, a Citação dos salvadores judeus foi apresentada em um esforço para corrigir o equívoco público de que os judeus não resgataram outros judeus durante o Holocausto. Até a presente data, cerca de 200 heróis foram homenageados por atividades de resgate na Alemanha, França, Hungria, Grécia, Eslováquia, Iugoslávia, Rússia, Lituânia, Polônia, Holanda e agora a Itália.

A neta de Enzo Cavaglion, Sara Cavaglion e seu filho, Dr. Alberto Cavaglion; Dario Disegni, presidente do Museu do Judaísmo Italiano e da Shoah; Paolo Eliezer Foa, presidente da Loja da B'nai B'rith Milão; Alan Schneider, diretor do B'nai B'rith World Center-Jerusalem.
A neta de Enzo Cavaglion, Sara Cavaglion e seu filho, Dr. Alberto Cavaglion; Dario Disegni, presidente do Museu do Judaísmo Italiano e da Shoah; Paolo Eliezer Foa, presidente da Loja da B’nai B’rith Milão; Alan Schneider, diretor do B’nai B’rith World Center-Jerusalem.
Na histórica sinagoga de Cuneo, da esquerda para a direita: Paolo Eliezer Foa, presidente da Loja B'nai B'rith Milão; Alan Schneider, diretor, B'nai B'rith World Center-Jerusalem; o filho de Enzo Cavaglion, Dr. Alberto Cavaglion; Dario Disegni, presidente do Museu do Judaísmo Italiano e Shoah.
Na histórica sinagoga de Cuneo, da esquerda para a direita: Paolo Eliezer Foa, presidente da Loja B’nai B’rith Milão; Alan Schneider, diretor, B’nai B’rith World Center-Jerusalem; o filho de Enzo Cavaglion, Dr. Alberto Cavaglion; Dario Disegni, presidente do Museu do Judaísmo Italiano e Shoah.

 

Veja também

Ciganos usam centro contra preconceito

“Quando eu era uma criança vendendo cartões-postais a turistas, não pensava que escreveria um livro. …