Aumenta o antissemitismo na Dinamarca

A Dinamarca tem sido considerada uma das nações mais atraentes, para os cidadãos e turistas. Minhas próprias visitas lá, anos atrás, como estudante, eram deliciosas. E os dinamarqueses têm uma história maravilhosa de virtude cívica durante o Holocausto. Como o United States Holocaust Memorial Museum observa em um site dedicado a “O resgate dos judeus da Dinamarca.”

O movimento de resistência dinamarquês, assistido por muitos cidadãos comuns, coordenou a fuga de cerca de 7.200 judeus para a segurança na Suécia neutra. Graças a este esforço no fim da guerra a Dinamarca tinha uma das maiores taxas de sobrevivência judaica em relação a qualquer país europeu.

Mas os tempos mudam, as últimas notícias da Dinamarca são: “Os judeus são avisados para não usar Kippot ou estrelas de David em Copenhague.” Aqui está um trecho:

Funcionários israelenses e judeus na Dinamarca na quarta-feira alertaram os judeus para evitar abertamente o uso de símbolos religiosos quando se deslocam em Copenhague em meio aos crescentes sentimentos anti-israelense. “Aconselhamos os israelenses que vêm para a Dinamarca e querem ir para a sinagoga que esperem  para usar kippot apenas dentro da sinagoga e não na rua, independentemente de se tratar de áreas consideradas seguras”, disse a AFP o embaixador de Israel na Dinamarca, Arthur Avnon, e que os visitantes também oram aconselhados a não “falar hebraico em voz alta”.

A organização nacional da comunidade religiosa judaica da Dinamarca também informou seus membros e os da escola particular judaica, em Copenhague, para terem cautela.

A diretora da escola judaica Jan Hansen disse ao diário Jyllands-Posten: “Não é algo que fazemos oficialmente, mas alertamos  aos nossos alunos para pensar duas vezes antes de caminhar em certas áreas de Copenhague com uma kipá na cabeça.”

O governo dinamarquês é claro não se responsabiliza por possíveis ataques a judeus, mas é realmente aceitável que em uma das grandes capitais da Europa alguém com uma estrela de David não possa andar com segurança nas ruas?

Parece também que a política externa da Dinamarca está mostrando menos simpatia para com os judeus e Israel do que já teve no passado.

Quatro países membros da União Europeia se negaram a condenar o líder do Hamas, Khaled Mashaal por seu discurso de incitamento ao ódio, do último fim de semana, gerando respostas duras dos líderes israelenses de que a Europa estava sendo unilateral. De acordo com um relatório de ontem da Rádio Israel, Dinamarca, Finlândia, Portugal e Irlanda pressionaram chanceleres europeus para condenar Israel por seu plano de construção na área E1.

Uma coisa para  é criticar ou condenar a decisão de Israel e outra tentar bloquear uma condenação à declaração de Meshal. Lembramos que Meshal disse: “A Palestina, do rio para o mar, de norte a sul, é a nossa terra. Não é um centímetro do que pode ser concedido. Nós não podemos reconhecer a legitimidade da ocupação israelense da Palestina. Não há legitimidade à ocupação e, portanto, não tem legitimidade para Israel, não importa quanto tempo vai demorar. Libertar a Palestina, toda a Palestina, é um dever, um direito e um objetivo …. vamos liberar [Jerusalém] polegada por polegada de pedra, por pedra, lugares santos para islâmicos e cristãos. Israel não tem direito a Jerusalém ….”

Essas observações tornam a paz impossível. O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, falou rapidamente a jornalistas turcos em Ancara,  e afirmou que não concorda com as declarações de Meshal. “Nós reconhecemos Israel em 1993”, disse. “Há um acordo entre Fatah e Hamas reconhecendo  a solução de dois Estados. Meshal aprovou este acordo”.

O presidente da Autoridade Palestina pode falar contra Meshal, mas a Dinamarca pretende bloquear uma declaração da UE? E enquanto isso, os judeus não podem sair com segurança nas ruas.

O site do Museu do Holocausto nos fala de uma Dinamarca diferente:

A Alemanha ocupou a Dinamarca em 9 de abril de 1940. No entanto, os judeus dinamarqueses não foram perseguidos até o outono de 1943.

Quando a polícia alemã começa a prender  judeus, noite de 1 de outubro de 1943, a Polícia dinamarquesa recusou-se a cooperar.

Ao contrário de outros judeus em países sob regime nazista, os judeus da Dinamarca nunca foram obrigados a usar a estrela amarela de David ou qualquer outro distintivo de identificação.

Cerca de 500 judeus foram deportados do gueto de Theresienstadt para a Dinamarca. Na sequência de protestos de seu governo, os  presos recebiam cartas e até mesmo alguns pacotes. A maioria  sobreviveu ao Holocausto.

Parece que um judeu poderia caminhar com mais segurança pelas ruas da capital da Dinamarca e contar com a proteção do governo dinamarquês em 1942 do que hoje, 70 anos depois. Situação vergonhosa e trágica.

Este artigo está na íntegra em CFR.org. Autor: Elliott Abrams, membro sênior de Estudos do Oriente Médio

Veja também

Seminário e lançamento de livro marcam os sete anos da Cátedra da Cultura Judaica da PUC-SP

Nesta quarta-feira, 22 de novembro, a PUC-SP celebra os sete anos da Cátedra da Cultura …

Deixe uma resposta