Air France é condenada por discriminar militante pró-Palestina que ia para Israel

A companhia aérea Air France foi condenada ontem a pagar 10.000 euros de multa por ter discriminado uma passageira, militante pró-Palestina, obrigada a desembarcar de um avião com destino a Tel-Aviv sob pretexto de que não era judia.

 

Horia Ankour, estudante de enfermagem, queria viajar para Israel em 15 de abril de 2012 para participar na operação “Bem-vindos à Palestina”, organizada por militantes pró-palestinos, que, em sua maioria, foram impedidos pelas autoridades israelenses de entrar no país.

 

Quando o avião ia decolar de Nice (sudeste da França), um funcionário da Air France perguntou à passageira se tinha um passaporte israelense. Ante sua negativa, perguntaram se era judia. Ela respondeu que não e depois disso foi obrigada a deixar o avião.

A promotoria considerou que se tratou de uma “discriminação caracterizada”.

 

A Air France explicou no processo que a companhia sabia que a passageiras não podia entrar em Israel, pois seu nome figurava numa lista de pessoas indesejáveis estabelecida pelas autoridades israelenses.

Veja também

Pesquisas do Arqshoah  serão divulgadas na Universität de Zürich (Suíça)

Neste dia 9 de outubro, a historiadora  Maria Luiza Tucci Carneiro faz uma vídeoconferência para …

Deixe uma resposta