A Rosa Branca: resistência, cultura e memória

15 de maio, quinta-feira, 14h00 às 19h30min.

Em meados de 1942, os correios da Alemanha começaram a receber panfletos que denunciavam as atrocidades cometidas pelo regime nacional-socialista e conclamavam a população à resistência pacífica.

Os autores desses textos eram cinco estudantes e um professor da Universidade de Munique. Willi Graf, Alexander Schmorell, Christoph Probst, os irmãos Hans e Sophie Scholl e o professor de Filosofia Kurt Huber assinavam seus panfletos como “A Rosa Branca”. Veja a programação abaixo.

A Rosa Branca: resistência, cultura e memória
A Rosa Branca: resistência, cultura e memória

Veja também

Rabino, monja e jornalista vão debater sobre como a mentira pode ser um obstáculo a cultura da paz

Como a mentira pode ser um obstáculo a cultura da Paz? Como dividir o mundo …

Deixe uma resposta