A ação inter-religiosa na trajetória da B’nai B’rith

A trajetória da B’nai B’rith do Brasil é marcada por uma intensa atividade inter-religiosa e interétnica. São múltiplas ações em consonância com o lema da instituição: Beneficência, Fraternidade e Harmonia, com Justiça, Verdade, Luz e Paz.

No Brasil, a B’nai B’rith foi uma das propulsoras do diálogo inter-religioso, iniciado na década de 1960, com a criação do Conselho de Fraternidade Cristão-Judaico para o qual atuaram decisivamente Hugo e Janina Schlesinger Z’L, avós do rabino Michel Schlesinger, Carlos Alberto Levi, Bertie Levi e o casal Edda e Hans Bergmann.

Na comemoração dos 50 anos da Nostra Aetate, encíclica papal sobre o diálogo da Igreja Católica com outras religiões, promovida pela Arquidiocese de São Paulo, o cônego José Bizon destacou, entre outros, a presença de Hans Bergmann, membro fundador do Conselho, em cerimônia no Teatro da Pontifícia Universidade Católica (TUCA) de São Paulo.

Durante mais de dez anos integrou o ConPAZ – Conselho Parlamentar para Cultura de Paz da Alesp trabalhando junto com todos os religiosos e comunidades na construção de um mundo melhor para todos.

Lutou por uma década para a constituição do Fórum Inter-Religioso por uma Cultura de Paz e Cultura de Paz e Liberdade de Crença da Secretaria da Justiça e Def3esa da Cidadania.

Em 2016, os presidentes da B’nai B’rith do Brasil Abraham Goldstein e esposa Irene, e de São Paulo, Zeila Sliozbergas, foram convidados juntamente com Fernando Lottenberg, presidente da Confederação Israelita do Brasil, ao Jantar oferecido pela Mesquita Brasil em celebração à Liberdade Religiosa.

Em Brasília e em São Paulo participou de eventos e de noites de vigília pelos bahá’is ameaçados de morte pelo Irã. De retiro inter-religioso na instituição hinduísta Brahma-Kumaris, de encontro pela paz com Lama Gangchen, líder do budismo tibetano quando esteve no Brasil no Centro Dharma, de ato inter-religioso na Igreja do Mosteiro de São Bento, sem contar inúmeros seminários, cursos, palestras e eventos variados em diversos estados.

Em parceria com a Comissão de Direito e Liberdade Religiosa da OAB-SP e Conib, a B’nai B’rith desenvolveu e divulgou manifesto contra o ódio e a intolerância religiosa na internet, lançado em Ato na Câmara Municipal de São Paulo.

Em 2017, patrocinou no Rio de Janeiro café da manhã que reuniu religiosos e precedeu a manifestação em repúdio aos ataques a templos de religiões afro-brasileiras naquele estado, onde a B’nai B’rith desenvolve há décadas o diálogo e a educação para a convivência.

Em discurso durante Ato contra a Intolerância Religiosa na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), manifestou solidariedade à menina Kayllane Campos, praticante do candomblé, vítima de discriminação aos 11 anos, quando foi atingida por uma pedra ao sair de um culto religioso.

Esteve presente na residência do rabino Michel Schlesinger em reunião com líderes religiosos muçulmanos para o iftar, a quebra do jejum, no período do Ramadan, onde fizeram suas preces e falaram sobre religião e cultura.

Foi recebida e recepcionou religiosos muçulmanos, budistas, de matriz afro-brasileira, católicos, evangélicos, baha’is, entre outros, por acreditar que juntos podemos fazer mais e melhor.
Sua presença e sua voz tem sido uma constante porque atuar em prol da liberdade religiosa, da convivência no pluralismo e da paz está na essência da missão da B’nai B’rith no Brasil e no mundo.

Evento em prol da Liberdade Religiosa, na Mesquita Brasil
Nasser Fares, Presidente da Mesquita Brasil (ao centro); Sheikh Armando;
Fernando Lottenberg, Presidente da Confederação Israelita do Brasil (esq);
Rabino Ruben Sterschein, da Congregação Israelita Paulista;
Abraham e Irene Goldstein, Presidente da B’nai Brith do Brasil (dir),
Edgar e Deborah Lagus, Vice-Presidente da B’nai B’rith Brasil (região centro sul)
e Zeila Ziozbergas; Presidente B’nai B’rith São Paulo (esq) e Sam Como,
Lia Bergmann, assessora de direitos humanos e comunicações B’nai B’rith
e Ruben Ascher em celebração da liberdade religiosa na Mesquita Brasil

Celebração do Dia Nacional da Luta Contra a Intolerância Religiosa na
Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania do Estado São Paulo,
em parceria com a Secretaria Municipal de
Direitos Humanos/ Coordenadoria de Promoção da Igualdade Racial.



Manifestação inter-religiosa no Rio de Janeiro em desagravo
à invasão de terreiros de matriz afro-brasileira
 
 

 

 

 

 

 

Veja também

Alemanha: judeu é atacado por árabe e golpeado pela polícia

Um judeu israelense foi atacado por um árabe na cidade de Bonn, na Alemanha, e …