Projeto Mergulho, da B’nai B’rith, premia alunos na Escola Municipal Prof. Olavo Pezzotti

O combate ao preconceito e à discriminação começa na escola

Finalizando o Projeto Mergulho de 2016, a B’nai B’rith fez a entrega dos prêmios na Escola Municipal de Ensino Fundamental Prof. Olavo Pezzotti ao primeiro e terceiro lugar, a alunos que se destacaram por suas considerações sobre preconceito e discriminação.

O Projeto Mergulho compreende Oficina para os professores, apresentação da peça Mergulho, debate com os atores e redação de uma carta, na qual os alunos falam sobre ir ao teatro, os temas abordados em cena, como preconceito e intolerância, propondo soluções.

A B’nai B’rith recebeu 900 cartas e uma comissão formada por professores da rede municipal de ensino escolheu as três melhores.

O Projeto Mergulho é uma parceira entre B’nai B’rith, Companhia Gesto de Teatro e Secretaria Municipal da Educação de São Paulo.

Durante mais de uma hora de espetáculo três jovens atores falam sobre Holocausto, escravidão, discriminação, ser adolescente, e a descoberta das raízes de suas famílias.O impacto nos alunos e professores é muito grande.

Leslie Marko, autora e diretora da peça, ao final de mais um ciclo, diz: “ Para mim, todo ano o contato com Mergulho representa esta luta contra o preconceito, a discriminação, tendo por base os valores éticos nos quais acreditamos. E todo contato que temos com os professores e os jovens estimula a nossa esperança por um mundo mais justo e melhor.”

Na premiação, Hans Bergmann, sobrevivente do Holocausto, e membro da B’nai B’rith, contou aos alunos que ele foi tirado da escola pública pelo fato de ser judeu, mesmo seu pai tendo lutado pela Alemanha na Primeira Guerra Mundial. Veio sozinho de navio para o Brasil, onde sua mãe estava, e aprender o idioma e poder trabalhar, ingressou em uma escola técnica e aos poucos, foi em frente “Mesmo que seja difícil, sigam em frente”, disse aos jovens.

O aluno Pedro Pinheiro Rodriguez, do 6º ano, obteve o terceiro lugar. Geovana Lopes dos Santos, do 9º ano do CEU EMEF Jardim Paulistano, o segundo lugar, e o primeiro coube à Jussara
Dantas dos Santos, 9º ano, também da EMEF Prof. Olavo Pezzotti.

Ao auditório lotado pelos colegas, o presidente da B’nai B’rith do Brasil Abraham Goldstein destacou: “Pedro, não são muitos os adultos que conseguiriam fazer se expressar com tanta consciência, tanta sensibilidade e demonstração de caráter como você”, ao fazer a entrega de um smartfone ao aluno.

Abraham, Hans Bergmann e Leslie Marko entregaram o prêmio de primeiro lugar à aluna Jussara, um notebook. Leslie leu as duas redações e todos aplaudiram muito.

Abraham Goldstein ressalta a ação da entidade, na área educacional: “É mais um passo que a B’nai B’rith dá, desenvolvendo com o apoio da Compania Gesto de Teatro, um trabalho no sentido de transmitir aos jovens o valor da responsabilidade, da convivência harmônica na diversidade, construindo assim uma sociedade mais fraterna e progressista”.

dscn2385
dscn2356
dscn2381
dscn2362

Veja também

Pesquisas do Arqshoah  serão divulgadas na Universität de Zürich (Suíça)

Neste dia 9 de outubro, a historiadora  Maria Luiza Tucci Carneiro faz uma vídeoconferência para …